26 dezembro 2013

Este ano recebi! :D


Este ano estou muito feliz! Desta vez a minha amiga Quadripolar enviou-me um postal de Natal. E é tão bonito e tão fofinho e com umas palavrinhas tão meigas.
ADOREI! Obrigada, amiga Quadripolar. Que a vida te traga muitos miminhos e felicidade...  :)


19 novembro 2013

Habemus PPC 2013


Viva! Chegou o PPC 2013! Adoro! Adoro! Adoro! :D

É o terceiro ano que participo no Polar Post Crossing. No primeiro ano recebi um postal, lindíssimo, feito pela pessoa. Adorei o postal (mais ainda por ter sido feito à mão) e o que tinha escrito também estava um encanto. No ano passado calhou-me o que sei que acontece a imensa gente: não recebi nada. Acho uma iniciativa lindíssima, mas quem não está a pensar em cumprir ou se não sabe se vai cumprir por que é que se inscreve? Não entendo. Nunca irei entender. Se fosso algo obrigatório entendia, mas assim... nunca irei entender...

Bem, mas este ano estou esperançada. Este ano vou receber um lindo postalinho de Natal! :D

Para se saber mais sobre o PPC 2013 é só ir AQUI!

16 outubro 2013

Depois existem as coisas que não fazem (propriamente) mal mas que eu acho profundamente idiotas e despropositadas

Já aqui referi que detesto quando vestem os cães como se fossem pessoas. Também não acho que fiquem propriamente felizes. Só tolero os casos em que os bichos sentem mesmo muito frio e se sentem melhor com uma roupita (quente e SÓ com o objectivo de os aquecer).

Na maior parte das vezes os bichinhos ficam mesmo muito infelizes, mas os donos teimam em enfeitá-los como se os cães fossem filhos adolescentes, que ligam à imagem e que têm de ter um enorme guarda-roupa.

Hoje vi, num grupo de cães no facebook, uma foto que uma dona orgulhosamente colocou do seu animal (um chihuahua) com um gorro de lã, com um pompom no cimo e umas tranças para atar no pescoço. O gorro tinha 2 buraquinhos para sairem as orelhas e o bicho demonstrava um ar altamente infeliz. A dona dizia que o bicho já estava preparado para o frio, mas o dito (frio) ainda não tinha chegado. Havia um comentário que dizia que os cães de uma outra dona eram uns safados porque tiravam toda a roupa que ela lhas colocava. Outra pessoa comentou que uma vez colocou um chapéu na sua cadela  e ela colocou a cabeça no chão recusando-se a  andar.

Não tenho dúvidas nenhumas de que estas pessoas tratam bem os seus bichinhos, mas, caramba, deviam ter mais sensibilidade e não os fazer passar por estas situações, que são só caprichos dos donos. Os animais não gostam disso! 

Pessoas que adoram ver os cães enfiados dentro da última moda canina:
OS BICHOS NÃO SÃO FELIZES COM ESSES TRAPOS ENFIADOS PELO CORPO!

As pessoas perderam o tino de vez

A crise não traz só carências monetárias ou dificuldades nos empregos. A crise, no mundo em geral, é uma séria falta de juízo, de escrúpulos, de senso.
As pessoas esqueceram-se de vez do que é a ética ou a moral. 

Sinto-me angustiada quando se me metem pelos olhos adentro casos destes:


Polícia mata cão enquanto prende o dono por filmar na rua!

A "artista" holandesa, Katinka Simonse é conhecida por matar e brutalizar animais para as suas exposições de arte macabra. 


03 outubro 2013

E agora?

As eleições já passaram e agora quando é que tiram toda aquela avalanche de cartazes e outra poluição visual que tiveram muita pressinha em colocar para a campanha?

04 setembro 2013

Mais uma...

Tenho vários amigos que são professores contratados e, como tal, na segunda feira lá foram para o centro de emprego.

Novidade que me contaram: têm de se apresentar de 15 em 15 dias na Junta de Freguesia.

Eu perguntei o porquê desta medida. Resposta: Para saberem se não sairam do país!

Mas isto é normal??? Os gatunos andam à solta e os professores com carradas de tempo de serviço que tentam sobreviver são tratados assim! Tenho vergonha deste país...

Coisas que detesto

Uma das coisas que detesto (abomino mesmo!) é ver os cães (principalmente as cadelas) com roupas. Há donas (creio que são essencialmente as mulheres) que têm autênticas colecções de roupa para as suas cadelinhas. E até copiam os modelos da moda actual. Acho piroso, horrível e, principalmente, os canídeos não se devem sentir nada bem com as vestimentas. Caramba, são cães! São animais, não são pessoas, como tal devem sentir-se muito melhor no seu estado natural do que com aquelas coisas que, para eles, devem ser um empecilho. Acho este tipo de coisas um bocado doentio.

A única coisa que até tolero é no caso das raças que são mais friorentas e, como tal, sabe-lhes bem um agasalhito no Inverno. Mas mesmo assim tem de ser de malha e bastante discreto e a única razão é mesmo o cão sentir-se melhor (pelo menos supostamente) assim do que sem nada. 


30 agosto 2013

A industria dos incêndios, por José Gomes Ferreira


"A evidência salta aos olhos: o país está a arder porque alguém quer que ele arda. Ou melhor, porque muita gente quer que ele arda. Há uma verdadeira indústria dos incêndios em Portugal. Há muita gente a beneficiar, directa ou indirectamente, da terra queimada.

Oficialmente, continua a correr a versão de que não há motivações económicas para a maioria dos incêndios. Oficialmente continua a ser dito que as ocorrências se devem a negligência ou ao simples prazer de ver o fogo. A maioria dos incendiários seriam pessoas mentalmente diminuídas. 

Mas a tragédia não acontece por acaso. Vejamos: 

1 - Porque é que o combate aéreo aos incêndios em Portugal é TOTALMENTE concessionado a empresas privadas, ao contrário do que acontece noutros países europeus da orla mediterrânica? 

Porque é que os testemunhos populares sobre o início de incêndios em várias frentes imediatamente após a passagem de aeronaves continuam sem investigação após tantos anos de ocorrências? 

Porque é que o Estado tem 700 milhões de euros para comprar dois submarinos e não tem metade dessa verba para comprar uma dúzia de aviões Cannadair? 

Porque é que há pilotos da Força Aérea formados para combater incêndios e que passam o Verão desocupados nos quartéis? 

Porque é que as Forças Armadas encomendaram novos helicópteros sem estarem adaptados ao combate a incêndios? Pode o país dar-se a esse luxo? 

2 - A maior parte da madeira usada pelas celuloses para produzir pasta de papel pode ser utilizada após a passagem do fogo sem grandes perdas de qualidade. No entanto, os madeireiros pagam um terço do valor aos produtores florestais. Quem ganha com o negócio? Há poucas semanas foi detido mais um madeireiro intermediário na Zona Centro, por suspeita de fogo posto. Estranhamente, as autoridades continuam a dizer que não há motivações económicas nos incêndios... 

3 - Se as autoridades não conhecem casos, muitos jornalistas deste país, sobretudo os que se especializaram na área do ambiente, podem indicar terrenos onde se registaram incêndios há poucos anos e que já estão urbanizados ou em vias de o ser, contra o que diz a lei. 

4 - À redacção da SIC e de outros órgãos de informação chegaram cartas e telefonemas anónimos do seguinte teor: "enquanto houver reservas de caça associativa e turística em Portugal, o país vai continuar a arder". Uma clara vingança de quem não quer pagar para caçar nestes espaços e pretende o regresso ao regime livre. 

5 - Infelizmente, no Norte e Centro do país ainda continua a haver incêndios provocados para que nas primeiras chuvas os rebentos da vegetação sejam mais tenros e atractivos para os rebanhos. Os comandantes de bombeiros destas zonas conhecem bem esta realidade. 

Há cerca de um ano e meio, o então ministro da Agricultura quis fazer um acordo com as direcções das três televisões generalistas em Portugal, no sentido de ser evitada a transmissão de muitas imagens de incêndios durante o Verão. O argumento era que, quanto mais fogo viam no ecrã, mais os incendiários se sentiam motivados a praticar o crime... 

Participei nessa reunião. Claro que o acordo não foi aceite, mas pessoalmente senti-me indignado. Como era possível que houvesse tantos cidadãos deste país a perder o rendimento da floresta - e até as habitações - e o poder político estivesse preocupado apenas com um aspecto perfeitamente marginal? 

Estranhamente, voltamos a ser confrontados com sugestões de responsáveis da administração pública no sentido de se evitar a exibição de imagens de todos os incêndios que assolam o país. 

Há uma indústria dos incêndios em Portugal, cujos agentes não obedecem a uma organização comum mas têm o mesmo objectivo - destruir floresta porque beneficiam com este tipo de crime. 

Estranhamente, o Estado não faz o que poderia e deveria fazer: 

1 - Assumir directamente o combate aéreo aos incêndios o mais rapidamente possível. Comprar os meios, suspendendo, se necessário, outros contratos de aquisição de equipamento militar. 

2 - Distribuir as forças militares pela floresta, durante todo o Verão, em acções de vigilância permanente. (Pelo contrário, o que tem acontecido são acções pontuais de vigilância e combate às chamas). 

3 - Alterar a moldura penal dos crimes de fogo posto, agravando substancialmente as penas, e investigar e punir efectivamente os infractores 

4 - Proibir rigorosamente todas as construções em zona ardida durante os anos previstos na lei. 

5 - Incentivar a limpeza de matas, promovendo o valor dos resíduos, mato e lenha, criando centrais térmicas adaptadas ao uso deste tipo de combustível. 

6 - E, é claro, continuar a apoiar as corporações de bombeiros por todos os meios. 

Com uma noção clara das causas da tragédia e com medidas simples mas eficazes, será possível acreditar que dentro de 20 anos a paisagem portuguesa ainda não será igual à do Norte de África. Se tudo continuar como está, as semelhanças físicas com Marrocos serão inevitáveis a breve prazo."

José Gomes Ferreira


29 agosto 2013

Gosto


(uma das fotos de uma sessão fotográfica feita pelo sr Louboutin com os sapatos)

Vou só ali comer uma saladita e já volto...


sinónimos


Acho piada à expressão "requalificação da função pública" (nome todo pomposo) quando o seu significado é nada mais nada menos, em linguagem corrente, do que "despedimento"!

28 agosto 2013

Será impressão minha?

Será  impressão minha ou há muita gente a pensar que no tempo do Salazar não se podia dizer tudo, mas que hoje se pode dizer tudo o que se quiser?


Para poupar dinheiro?

Este ano o MEC teve a brilhante ideia de fazer provas aos professores para que possam dar aulas (nem vou comentar este assunto). Mas, pensemos:

- o MEC vai gastar uma "pipa de massa" para fazer as tais provas (não achemos que serão de graça, ainda para mais numa altura em que o país está na crise em que está e vai-se esbanjar dinheiro nisto);

- o MEC não deixa que, neste concurso, os professores que estão efectivos nas RA possam pedir destacamento (não havendo aqui nenhum gasto de dinheiro a mais neste processo, mas sabemos que há professores piores posicionados que ficarão com "melhores" colocações).

Perante estas considerações (e outras mas que não me apetece estar a puxar pelos neurónios ainda em férias) ainda existe alguém que ache que todas as medidas implementadas no sector da Educação (já não falando nas outras áreas) são SIMPLESMENTE devido ao factor económico?

27 agosto 2013

Pierre Cosso

Ando saudosista. Pus-me a navegar pelo mundo da internet para ver o que encontrava dos anos 80, a minha adolescência... Bem, que Deus grego fui encontrar! Nessa década deu uma série que eu adorava (sempre adorei histórias trágicas e românticas), a "Cinderella dos anos 80", italiana e tinha uns actores fantásticos: a Bonnie Bianco e o Pierre Cosso. 
É óbvio que tive uma paixão platónica pelo Pierre Cosso. E também fazia parte daquele grupo de adolescentes que comprava a revista Bravo (em alemão! que eu percebia tanto como actualmente de mandarim!) só por causa das fotos dos nossos "ídolos". Para termos os posteres, as fotos, as letras das músicas, enfim, aquela revista era muito à frente...

E hoje durante a pesquisa não é que verifiquei que o Pierre Cosso ainda é giro que se farta? Não ficou nada gordo, careca, com rugas, enfim aquelas coisas da idade. Também não está com a cara de miúdo, mas caramba, o homem continua giro como tudo. E com um charme!

(Pierre Cosso e Bonnie Bianco na série)



(Pierre Cosso na série e na actualidade)


18 agosto 2013

Férias


É impressão minha ou estas férias estão a passar a uma velocidade alucinante?


24 julho 2013

Facção?????


"facção" em vez de "façam"??? 

Acho demasiado mau. E nem sequer considero que seja um erro devido a uma distracção, que também tenho visto desses e compreende-se. Este não... Tenham paciência...


11 julho 2013

Pontos de vista

"Acho que o único mal que fiz foi ter nascido, visto que nunca fiz mal a ninguém."

Vi esta publicação no facebook. Há uma característica que eu tenho que a considero uma boa qualidade que é a sensatez. Ora, usando o bom senso, pus-me a reflectir sobre esta frase. A pessoa em questão (que eu não conheço de lado nenhum) não deverá estar muito bem emocionalmente, o que é cada vez mais normal tendo em conta a actualidade.
Há muitos anos talvez também eu tivesse alguns momentos de pensar assim. Mas, é preciso ter um certo bom senso e abstracção do que nos vai na alma para pensarmos sobre as coisas de uma forma mais fria e mais verdadeira.

"o único mal que fiz foi ter nascido", talvez seja um "pedido" de socorro. Talvez as pessoas estejam tão em baixo que precisam de alguém que as erga sem que fiquem completamente enterradas na lama e, consequentemente, se torne mais difícil ultrapassarem as dificuldades. Ou então é alguém que tem o síndroma da coitadinha, alguém que passa a vida a queixar-se, que os outros lhe fazem mal e ela nunca fez mal a ninguém, etc etc. 
Mas devia-se pensar um pouco sobre as coisas que nos acontecem, porque tudo acontece por alguma razão. E talvez aí se encontre a solução para o "problema"

"visto que nunca fiz mal a ninguém", talvez esta pessoa não tenha feito mesmo mal a ninguém. Mas o que é certo é que às vezes as pessoas fazem mal aos outros sem que se apercebam. Será que não fez mesmo? É que muitas vezes aquilo que não é mau para nós é mau para os outros. Ou então é alguém com um orgulho enorme que a cega e que a faz recusar-se a ver a realidade.

São apenas pontos de vista...



sim...



A Verdade e a Parábola


A Verdade visitava os homens; sem roupas e sem adornos, tão nua quanto o seu nome. E todos os que a viam viravam-lhe as costas de vergonha ou de medo e ninguém lhe dava as boas vindas.
Assim, a Verdade percorria os confins da Terra, rejeitada e desprezada.
Numa tarde, muito desolada e triste, encontrou a Parábola que passeava alegremente, num traje belo e muito colorido.
- Verdade, porque estás tão abatida? - perguntou a Parábola.
- Porque devo ser muito feia, já que os homens me evitam tanto!
- Que disparate - riu a Parábola - não é por isso que os homens te evitam. Toma, veste algumas das minhas roupas e vê o que acontece.
Então a Verdade pôs algumas das lindas vestes da Parábola e, de repente, por toda a parte onde passava era bem vinda.
Então a Parábola disse:
- A verdade é que os homens não gostam de encarar a Verdade nua; eles preferem-na disfarçada !


(Autor desconhecido)


03 julho 2013

Ora vamos lá pensar...

Tenho visto por aí fora, pelo mundo da internet, qualquer coisa como isto "Ah e tal, a única alternativa é o Seguro, mas não tem grande credibilidade, se assim for é preferível que o Passos fique."

Porra!!! O que tenho a dizer é que esta gente merece este governo! Pois merece! Então não há alternativa??? Existe uma lista enorme de partidos que mais parece a conta de supermercado quando faço as compras mensais! Não há alternativa??? Como não???


"Ah e tal, aos outros partidos são bons na oposição mas nunca serviriam para governar Portugal."

Como não??? Por acaso já lá estiveram para se poder tirar essas conclusões??? Que eu saiba e BEM me lembre TODOS os governantes que lá estiveram nos últimos anos (pelo menos nos últimos 13 que foi quando comecei a prestar mais um bocadinho de atenção à política) MENTIRAM descaradamente enquanto estavam em campanha. Então, tendo em conta o cenário dos últimos anos (e olhando só para as mentiras e para a corrupção) não é suficiente para se mudar radicalmente de governo? Depois se continuassem a fazer porcaria então já haveria razões para o povo dizer mal, mas simplesmente não aceito que se digam coisas como estas.

E que fique claro que NÃO sou filiada em nenhum partido político, NÃO sou adepta de nenhum partido político, simplesmente não gosto das coisas como estão nem quero que se continue com esta brincadeira do "agora fico eu e depois ficas tu..."


Estas pessoas merecem este(s) governo(s) mas eu não!



01 julho 2013

Boa ideia!

Para quem detesta mosquitos e anda à procura de boas ideias (e ecológicas) para afastar os bichos aqui está uma excelente. 

Cortar os limões ao meio, espetar cravos-da-índia e espalhar pela casa. Parece que é uma óptima solução para afastar a bicharada. Eu vou experimentar...


Mais do mesmo

Por que é que quando alguém me faz uma determinada pergunta vou "aos arames"?

Há poucos dias alguém voltou a perguntar-me: 

"Então, já estás de férias?"

Fiquei furiosa, mas controlei-me, fazendo um sorriso amarelo e respondendo a verdade, que só entro de férias no final de julho. É que há pessoas com as quais não quero chatear-me.

Esta ideia de que os professores têm imensas férias (entre muitas outras regalias) está de tal maneira vincada e formatada na cabecita das pessoas que por muito que lhes seja explicada a verdade elas nunca a vão entender. É que já tive esta conversa, com esta pessoa, no ano passado. Expliquei-lhe o que havia para fazer na escola depois das aulas acabarem, mas não adianta, o que eu disse caiu em saco roto e em nova oportunidade lá vem a mesma pergunta. É cansativo...


24 junho 2013

O que há em mim é sobretudo cansaço

O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço...

Álvaro de Campos



17 junho 2013

01 junho 2013

A propósito de erros...

Este é muito grave. Não só pelo erro em si (que acho bastante grave) mas por quem o proferiu. Não é admissível alguém com tal cargo que nem sequer sabe falar. E não me venham com histórias de que se calhar foi por engano, distraiu-se, etc. Este erro é inadmissível a alguém que ganha o que esta criatura ganha, que é mais do que suficiente para não dar erros como este (mesmo que sejam por descuido). Assim, é mais uma razão para pensar: "Quem é que este palhaço pensa que é, que nem falar sabe (nem as regras da sua língua mãe), para estar no mais alto cargo governamental do nosso país?" (Foi escolhido pelos portugueses, eu sei! Tomem lá e embrulhem!)



30 maio 2013

Mais erros...



Não gosto de ouvir as pessoas (incluindo professores, jornalistas, apresentadores,...) a dizerem:
"vai de encontro"

quando querem dizer:
"vai ao encontro de"

(não é por nada, mas assim de repente parece-me que só têm significados opostos)

29 maio 2013

O que é...

...ISTO???

Arte???

Basicamente a conceituada (?) fotógrafa tem uma forma muito original (?) ou peculiar (?) de mostrar a sua arte (?). A senhora dá chupa-chupas a criancinhas (sem roupa) e tira-os logo de seguida para as poder fotografar em lágrimas! E depois as fotos são divulgadas (tudo em nome da arte, claro). Não considero arte e não acho graça.


Das aulas

Depois de explicar o que era um estuário (e mostrar imagens de estuários em geral e do estuário do Tejo) e um delta (e depois de mostrar uma imagem do delta do Nilo, mas sem dizer o nome deste rio), surge o diálogo:

Prof: A que rio pertence este delta, que é bastante conhecido e que vocês até já estudaram?

Aluno 1: Eu só conheço o do café.


Noutra turma:

Aluno 2: É dali que vem o café Delta?


26 maio 2013

Dia Nacional do Folclore

Uma das coisas que adoro é o folclore. Adoro os sons, os trajes, as cores, as tradições, a história... É um bocadinho da história de cada povo e de cada região de um país. Adoro o nosso folclore, com as músicas e os trajes tão diferentes de região para região, em que cada um esconde a sua história e vivências.



19 maio 2013

O click certo na hora certa...

Há fotos que são brilhantes e não foram manipuladas. Basta estar no lugar certo à hora certa e alguma "pontaria" para conseguir captar o momento, por vezes insólito.

Mais fotos AQUI.






18 maio 2013

Isto é arte???



Alguém a dormir numa caixa de vidro para que os outros vejam é arte? Se isto é arte eu devo ser a pessoa mais ignorante do planeta. É que não compreendo, de todo, em que é que uma situação destas é arte.

Não compreendo mas posso ter alguns palpites quanto à situação. Ora bem, então a criatura, figura principal deste cenário no MoMA, é a atriz Tilda Swinton, que não fez assim tantos filmes (pelo menos que eu saiba, mas se fez muitos foram maus porque não é assim tão conhecida), nem com muito sucesso. A situação profissional para o lado dela não deve ser a melhor. Então quando as pessoas se encontram em determinadas situações têm de se "desenrascar" de alguma forma. Inventou (ou inventaram por ela) esta situação e como as pessoas são estúpidas (aceitam sem usarem os neurónios o que lhes é impingido) ficaram cegas e passam a adorar esta forma de "arte" que consideram tão peculiar e original. Provavelmente até nem gostam, mas como não se dão ao trabalho sequer de refletir, vão atrás da "manada" e apreciam imenso esta... forma de arte!


17 maio 2013

Aprovada a lei da coadopção por casais homossexuais


Nem iria comentar este assunto porque ainda não tenho uma ideia 100% consolidada acerca do mesmo. É certo que pendo mais para um dos lados, mas não quero manifestar já a minha opinião.

O que eu quero comentar são os comentários de alguém (uma jornalista, parece) que é contra a aprovação desta lei. 
O que me fez bastante "comichão" não foi o facto da dita senhora ser contra, foi o facto de ter usado argumentos que eu NUNCA tinha ouvido. Argumentos tão ousados (não era bem esta palavra mas até me falta o vocabulário) que me deram arrepios, mas no mau sentido.

Então a senhora refere que: 
"Os ignóbeis socialistas e bloquistas vão levar amanhã mais uma vez a adopção de crianças por duas pessoas homossexuais do mesmo sexo que vivam juntas, ao Parlamento. Não se enganem, todas as manifs, todos os Grandolas Vilas Morenas, todos os Galambas e Dragos, todos os actos de terrorismo de interrupção de membros do Governo em actos públicos, têm um único objectivo "dar crianças aos homossexuais"." (antes da aprovação da Lei)

E depois da aprovação da Lei:
"Eu acho que há instituições que são melhores do que muitas familias biológicas. Ali não são violadas, nem mal tratadas.

Então vamos por partes:
1- Então a senhora acha que todos os defensores desta Lei só têm por único objetivo  "dar crianças aos homossexuais"? Bem, generalizar assim toda a gente? O que é que eu posso comentar? Ela coloca tudo no "mesmo saco". E as crianças "dão-se"? Assim, como um objeto, uma mercadoria? Só me ocorre uma coisa: MEDO (desta senhora)!

2- Se há instituições que tratam melhor as crianças do que as famílias biológicas? Sim, sem dúvida que há. Mas nas instituições não são violadas nem maltratadas? What? Mas a senhora vive no mesmo planeta que eu ou caiu aqui assim de repente??? 
Há de tudo, crianças maltratadas em famílias biológicas e em instituições e crianças violadas em famílias biológicas e em instituições, por isso, não me parece, de todo, um argumento para defender a sua opinião. 
Seja como for, mesmo nas instituições onde as crianças não são maltratadas, TODAS as crianças querem sair de lá. Ninguém quer permanecer numa instituição. Até hoje ainda não ouvi um relato que seja de alguma criança que prefira estar num instituição.

3- Quanto à última frase da senhora: então os homossexuais adoptam crianças SÓ com o intuito de as seduzirem, de as violarem e  de as colocarem como mercadoria sexual? Que se pode dizer acerca disto? Pois, também não sei...

Eu, que sou pela teoria da conspiração, confesso que a minha mente (bastante fértil, por sinal) não chegou aos calcanhares da desta senhora. Até acredito que possa haver de tudo, que há, mas generalizar desta forma? Parece-me bastante radical, demasiado estúpido, até. 

14 maio 2013

Será exagero da minha parte?

Será que é exagero da minha parte achar que é vergonhoso apresentar um erro destes numa página da internet? Eu acho que um erro destes num local destes fica muito mal...

De salientar que a referida página  terá, certamente, milhares de visualizações tendo em conta a quantidade de visitantes da exposição. Link aqui.




12 maio 2013

Coisas que abomino


Futebol

Odeio futebol! Aliás, não odeio o futebol, odeio é o fanatismo e o fundamentalismo das pessoas em relação ao futebol, bem como a forma como vivem o "clubismo"! Haja paciência... eu não tenho...


09 maio 2013

Dia da espiga

Hoje é o dia da espiga. Em pequena adorava este dia. Ainda adoro, mas a vida de adulto é diferente... Não há a liberdade mental e emocional, com a mente desimpedida de preocupações, como na infância que tornavam estes dias tão especiais. Seja como for, adoro o dia da espiga. Quanto mais não seja ficam as recordações. Tenho tão boas recordações deste dia...

Lembro-me da alegria de sair com a professora e colegas, ou com a minha mãe em busca de um raminho de flores / plantas do campo. Lembro-me da temperatura agradável que se fazia sentir. Lembro-me da alegria que era estar no campo e poder desfrutar daquele ar puro, ouvir os sons próprios do local, tudo natural, sem nenhuma intervenção antrópica. Não havia sinais de prédios, indústrias, barulhos, não havia poluição (na agricultura ainda se utilizava estrume, na maior parte dos casos). Era campo, no seu estado mais puro.
A minha mãe gostava muito de fazer este tipo de atividades comigo. Eu também adorava, claro. Por um lado das atividades em si, por outro tinha a minha mãe comigo e sentia-me feliz e segura. Ela estava ali se me acontecesse alguma coisa. A minha mãe apanhava (e ensinava-me a apanhar) as plantinhas mais bonitas para fazerem parte da minha "espiga" (chama-se assim o tal raminho com as plantas do campo) e ensinava-me quais eram as que deveriam fazer parte do raminho. Sim, havia algumas "obrigatórias" que deveriam constar. Também me ensinava-me o nome delas. Já em casa, a minha mãe fazia um raminho, pequenino, muito bonito para poder guardar ao longo do Outono e do Inverno. Talvez com uma simbologia qualquer, como dar proteção ou transmitir boas energias, mas essa parte já não me lembro.

Recordar certos episódios da infância é tão bom. Por uma lado sou uma saudosista. Por outro, como defensora do ambiente, é bom recordar estes episódios em que, apesar de se apanhar algumas plantitas (algumas já estavam secas, pois era assim que deveriam constar no ramo), não havia destruição da mesma nem sequer maus tratos a qualquer ser vivo. 

A "espiga" ficava guardada durante as estações mais frias. Até que se deitava fora (creio), passava mais um ano e chegava novamente o "dia da espiga" e repetia-se o ritual...


Tive


Não gosto quando vejo erros ortográficos (e outros). Há uns que me causam mais "urticária" do que outros. E não, não estou a falar em situações em que se escreve de certa forma propositadamente, como é o caso de mensagens em telemóveis ou chats. Também não estou a falar daqueles em que o erro saiu por engano, por se estar a escrever à pressa ou sem estar com muita atenção.

Detesto ver "tive" em vez de "estive" e, principalmente verificar que este erro prolifera por aí. 

Detesto ver "ouve" em vez de "houve".


04 maio 2013

obrigadO


Faz-me uma certa confusão as mulheres a dizerem "obrigado". E há tantas, tantas a dizerem isto. 

Será que não sabem que no feminino se diz "obrigada"?


03 maio 2013

Mais uma...

Este Ministério não pára de surpreender! É uma atrás da outra. Todos os dias há novidades fantásticas.

A última:


"Alunos do 4º ano vão assinar "compromisso de honra" que proíbe uso de telemóveis

As escolas estão a receber orientações para obrigar os alunos do 4º ano a assinarem um "termo de responsabilidade" onde se comprometem a não utilizar telemóveis nos exames, revela a Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (CNIPE).
  
"A CNIPE acaba de saber que há orientações que estão a chegar às escolas no sentido de obrigarem os alunos do 4º ano a assinarem um termo de responsabilidade, um compromisso de honra, em como não vão utilizar telemóveis ou equipamentos multimédia" durante os exames, afirma o dirigente da confederação, Rui Martins.   
  
Para Rui Martins, "é uma insanidade completa" o Ministério da Educação e Ciência (MEC) estar a pedir às crianças que assinem um "compromisso de honra".  "Estamos a falar de crianças de tenra idade e isto é uma insanidade o que estão a pedir aos nossos filhos. Eles nem sequer sabem o que vão assinar", diz. "

Notícia completa aqui.


Dançar


Um dia destes vou dançar, dançar, dançar até cair.

Lógicas

Mas qual é a lógica dos professores do 1º ciclo não poderem vigiar os exames dos respectivos alunos?
Ao que parece estes professores não podem vigiar os exames dos seus próprios alunos pois há o risco (pois já aconteceu) destes dizerem algumas respostas aos pupilos. Não sei se será por mais alguma razão que não poderão vigiar os exames, mas que em algumas situações causa muito transtorno, lá isso causa.

Vamos por pontos:
1- A minha escola (EB 2,3) tem dois edifícios (exceptuando as escolas do 1º ciclo que fazem parte deste agrupamento): um para alunos do 1º ciclo (o pólo) e outro para alunos dos 2º e 3º ciclos. Ora, como os professores do 1º ciclo não podem vigiar estes exames quem os vigiará? Os tontinhos dos 2º e 3º ciclo, pois está claro. Logo, estes últimos irão faltar às suas aulas, uma vez que os exames decorrerão no pólo, havendo o outro edifício disponível para as fantásticas aulas. Hum e quem dará as aulas a que os professores vigilantes irão faltar? Os professores do 1º ciclo, claro está. E que aulas darão eles? As aulas que os parvinhos deixarão em planos de aulas, pois então.

Conclusão: os professores dos 2º e 3º ciclos FALTARÃO às suas aulas para vigiar os exames do 1º ciclo e AINDA TÊM de deixar um plano de aula para a substituição. Quer dizer, estragam-me a MINHA aula, dão-me um CASTIGO (que é o que as vigilâncias são) e ainda OBRIGAM os meus alunos a "gramar" uma porcaria duma substituição (que é o que as substituições são!). Sim, nas substituições deixamos uma porcaria de uns exercícios para resolver (que muitas vezes não serão corrigidos, pois foi só por obrigação que ficaram no plano de aula) ou então uma porcaria de um filme (sim, pois os alunos já estão fartinhos de filmes até aos olhos à conta destas substituições).

2- Os professores não são competentes para vigiar os seus exames? Pois, sei que há professores que diziam as respostas aos alunos... Sim, veja-se onde está a moral desta gente! Dizer respostas de exames! Mas isso quer dizer o quê? Que é um grande incompetente mas não quer que a sua escola tenha uma razia nos resultados? Que é tão, mas tão boa pessoa e gosta tanto dos meninos que lhes vai dar as respostas? Ou é simplesmente por falta de carácter? Pois, estes professores já são o fruto da educação pós 25 de Abril. Tenho pena, muita pena dos Capitães de Abril terem dado o corpo ao manifesto para que o país se tenha tornado nesta coisa pestilenta e doente. Lembro-me muito bem de ouvir pessoas mais velhas, tão velhas que não já não se encontram no mundo dos vivos, a defender a sua honra e palavra. Eram coisas muito importantes para as pessoas, estas duas. Podiam não ter nada, não ter dinheiro, não ter casa, não ter nenhum bem material, mas tinham honra e palavra e tinha-se orgulho disso. E hoje? Hoje não se sabe o significado destas duas...

Cada vez mais tenho vergonha de pertencer a esta profissão. Cada vez vejo mais desunião. Cada vez tenho mais asco das pessoas...

02 maio 2013

...


Não consigo encontrar palavras para explicar ISTO!


30 abril 2013

Só um pequeno comentário...




Estou a ler este livro há algumas semanas e vou demorar a acabá-lo. É que o livro é tão duro, mostra uma realidade tão cruel que é difícil lê-lo de uma assentada.

É mesmo muito interessante, mas preciso de fazer imensas pausas...


Só uma perguntinha...

Por que é que os dentistas, quando estamos de boca completamente aberta, com anestesias e brocas e sugadores de saliva, nos perguntam constantemente se está tudo bem?

E se não respondemos continuam a repetir a pergunta até sair um "hummm hummm..."


16 abril 2013

What???

Acabei de ler isto no Facebook:

"...um telemóvel do séc. IXX?"

Isto: "IXX" quererá dizer o quê? Não me digam que a criatura se estava a referir ao "século XIX"! Será???

Oh my God!!!

12 abril 2013

Ajudar o Rodrigo


Não sei o que dizer. Em situações como esta nunca sei o que dizer. Fico muda, por dentro e por fora. Calculo que, para a mãe do Rodrigo, seja uma dor sem explicação. Só consigo dizer uma coisa: inscrevam-se para serem dadores de medula óssea, POR FAVOR!

Podem ler algumas palavras sobre a situação do Rodrigo aqui e aqui. A página de Facebook para ajudar o Rodrigo é aqui.


gramática e afins...

Faz-me tanta, mas tanta confusão ver coisas escritas cheias de erros... Então no facebook é de bradar aos céus. Eu sei que muitas vezes se carrega nas teclas erradas, ou então dá-se um erro sem se dar conta, mas não é disso de que estou a falar. É de erros mesmo! Eu também já detectei alguns erros pelo mundo da internet, em coisas que escrevo, mas são pontuais e apercebo-me de alguns, por vezes até altero para não ficar com mau aspecto. Mas vejo cada coisa! Para perceber certos comentários em assuntos que me interessam tenho de os ler e reler várias vezes. Para ver que sentido tiro dali... 

Por exemplo: "secção" em vez de "sessão"
                           "achao" em vez de "acham"
                           "gosta-se" em vez de "gostasse"
                           "comesso" em vez de "começo"
                           "geito" em vez de "jeito"
                           "feicha" em vez de "fecha"